quarta-feira, 17 de junho de 2009

SÉRIE: MEU INSTRUMENTO MUSICAL - TUBA


A tuba é um instrumento musical de sopro da família dos metais. Consiste num tubo cilíndrico recurvado sobre si mesmo e que termina numa campânula em forma de sino. Dotado de bocal e de três a cinco pistões, possui todos os graus cromáticos.

Existem tubas de vários tamanhos: tenor (também chamado de eufônio), baixo e contrabaixo. Desde o seu aparecimento, na primeira metade do séc. XIX, logo foi incorporado nas orquestras sinfônicas.

A tuba é descendente do “oficleide”, utilizada por volta de 1800, ainda antes da invenção do sistema de pistões. Este instrumento começou a ganhar popularidade nas pequenas bandas de metais da Grã-Bretanha, onde um antecessor do atual Sousafone, chamado Helicon, era usado devido à sua portabilidade (mais fácil de transportar).
Mais tarde, Richard Wagner utilizaria uma variante deste instrumento (basicamente uma tuba baixo mas com um bocal de trompa), razão pela qual surgiu a chamada Tuba Wagneriana. Em 1860, John Philip Sousa patenteou um novo tipo de tuba baseado no Helicon, dando origem ao atualmente chamado Sousafone.
Por esta altura, os alemães Johann Moritz e Wilhelm Wieprecht construiram o modelo de tuba que seria o percursor do modelo mais utilizado hoje em dia. Desde esta altura, o design e conceito geral da Tuba permaneceram inalteráveis, mas diversas variantes foram sendo introduzidas, incluindo instrumentos com 4, 5 e 6 pistões, pistões com válvulas rotativas, Sousafones em fibra de vidro (para serem usados em desfiles).
Atualmente, as tubas podem ser encontradas nas mais diferentes formas e combinações. Assim, encontramos Tubas em diferentes afinações (Sib, Do, Mib, e Fá), com campânulas desde 36 a 77 centímetros de diâmetro, voltadas para cima ou para a frente, lacadas ou cromadas, com pistões normais ou com válvulas rotativas (ou ambos), com 2 até 6 pistões etc. Nas bandas filarmônicas, cabe às Tubas o fundamental papel de suporte harmônico, uma vez que compõe o naipe de instrumentos que atua no registo grave.

Serpentão (Serpnt, Schlangenrohr ou Serentone.)
Aerofone constituído pôr um tubo de madeira revestido a couto, muito largo, cônico, tendo aproximadamente dois metros e meio de comprimento. A forma do tubo lembra a ondulação de uma serpente e a embocadura é um bocal que pode ser metálico, de marfim ou de madeira.

Oficleide ( Figle )
Instrumento de metal, com grades orifícios tapados pôr chaves. O tubo, cônico, é dobrado em dois, à madeira do fagote. O oficleide chegou a ter lugar na orquestra na primeira metade do séc. XIX, até ser substituído pela tuba.

Tuba Wagneriana
A tuba Wagneriana, idealizada pôr Wagner, para a sua tetralogia, O ANEL DOS NIBELUNGOS, possui estrutura semelhante à da Trompa, o instrumento assim sugerido tinha o tubo de perfil semelhante ao da tuba, mas a sua forma era oval e afinada em SIB e em FA e sua extensão vai de MIB 1 ao RÉ 4. Além de Wagner e Bruckner, Richard Strauss e Stravink, outros compositores, utilizaram esta tuba em suas obras.

Souzafone
Os modelos Helicon tornaram-se muito populares (sobretudo nos Estados Unidos) e a partir de 1898 o construtor G. C. Conn começou a desenvolver um novo modelo de helicon, segundo as instruções de John Philip de Sousa. Em 1908 apresentou um instrumento bastante diferente daquele que lhe servia de modelo, com um enorme pavilhão destacável (que em modelos posteriores viria a ser feito em fibra de vidro, o que torna o instrumento consideravelmente mais leve, logo mais adequado para ser usado em Marcha). O novo instrumento denominou-se sousafone em homenagem a John Philip de Sousa, famoso chefe de bandas luso-americano e compositor de marchas populares para bandas militares, hoje o sousafone é o mais típico dos instrumentos de bandas americanas.

2 comentários:

  1. davátuba: muito bom o documentario vivemos em um mundo a onde a tuba e tãoimportante porem tão repudiada; prescisamos de boas im formações como estas.

    ResponderExcluir