sexta-feira, 1 de abril de 2011

MINISTRA DA CULTURA ABRE DIÁLOGO COM MÚSICOS SOBRE POLÍTICAS PÚBLICAS DURANTE ENCONTRO NA FUNARTE/RJ



A ministra Ana de Hollanda e o presidente da Funarte, Antonio Grassi, reuniram-se hoje (29/03), no Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro, com músicos, produtores culturais, sindicalistas e profissionais ligados à área da música, para o primeiro de uma série de encontros setoriais que a Fundação Nacional de Artes (Funarte), vinculada ao Ministério da Cultura, irá realizar ao longo deste ano. Ana de Hollanda ouviu as reivindicações do setor e enfatizou a importância de se abrir um canal de diálogo para que cada área possa ter suas demandas atendidas. Grassi ressaltou que serão feitos também encontros setoriais em outras regiões do país e que o próximo será no Nordeste.

 
foi mediado pelo representante regional do Minc, André Diniz e entre os artistas presentes estavam os cantores Leoni, Sandra de Sá, Joyce, Danilo Caymmi e Marcelo Yuka. O auditório Gilberto Freyre – com capacidade para 400 pessoas – ficou lotado. Além da Lei dos Direitos Autorais, outros temas, como a Lei Rouanet, foram questionados pelo segmento. Em relação à Lei Rouanet, Ana de Hollanda reconheceu que há descontentamento de várias áreas, mas lembrou que a discussão não se encerrou e que é importante acompanhar a tramitação no Congresso Nacional.




O ensino obrigatório de música nas escolas também foi discutido. A ministra esclareceu que a questão é de competência do Ministério da Educação, mas disse que os dois ministérios vão trabalhar em conjunto. O presidente da Funarte, Antonio Grassi, acrescentou que “é preciso reatar esse casamento” e que a parceria entre os Ministérios da Cultura e da Educação é fundamental.

O cantor Leoni entregou uma carta à Ministra, em que reforça a necessidade de se avançar mais na nova Lei dos Direitos Autorais e sugere a criação de uma Secretaria da Música no organograma do MinC.


Para Marcelo Yuka, compositor e músico da banda F.U.R.T.O., a questão da cultura precisa ser tratada como uma questão de justiça social. “Ao elaborar as políticas para a música, o governo precisa ter como foco não o artista que ganha muito dinheiro, mas o cara que não consegue viver de música”, defendeu. Yuka denunciou o que chamou de “preconceito estatal” contra o funk. “Nós todos somos de alguma forma influenciados pelo samba, e a história do samba é uma história de preconceitos. Hoje acontece exatamente a mesma coisa com o funk”, declarou.Sobre a reforma da Lei dos Direitos Autorais (LDA), um dos assuntos abordados no encontro, a ministra da Cultura disse que aguarda a conclusão de um estudo da Diretoria de Direitos Intelectuais, vinculada ao Ministério, para decidir se endossará a proposta ou fará nova consulta pública.

A ministra Ana de Hollanda demonstrou a mesma opinião de Yuka sobre gêneros musicais depreciados. “Até o violão já foi alvo de preconceito. Tudo o que é novo assusta. O Estado precisa, sim, incorporar todas as linguagens e os gêneros em suas políticas públicas”, concluiu.

(Texto: Alexsandra Abritta, Ascom/Funarte)
(Fotos: André Melo, Ascom/MinC)

Fonte: Boletim da RRNE/MinC - 30/03/2011‏

Nenhum comentário:

Postar um comentário